2017: novas regras para os AJ

Em 2016 entrou em vigor a nomeação aleatória dos AJ, prometida desde 2004

No entanto, imediatamente se encontraram problemas em grandes empresas com AJ inexperientes.

Assim, rapidamente o governo dá uma volta legislativa e reassume as indicações de AJ para empresas de relevo.


Voltar ao HUB dos Admin. Judiciais

 

   

Quais as alterações com impacto na vida do AJ em 2017?

As alterações com impacto na vida dos AJ podem ser agrupadas em quatro categorias:

  1. Nomeações,
  2. Fiscalidade,
  3. Relatórios,
  4. Vendas,
  5. Deslocações.
  6. O Fim do Mandato

  

   

 

Nomeações

Apesar de a nomeação aleatória dos AJ ter sido implementada e estar a funcionar em pleno desde meados de 2016, em certos casos são necessários AJ com vontade e conhecimentos específicos para implementar um processo de recuperação.

Apesar de a nomeação continuar a ser preferencialmente aleatória, existem a aceitam-se motivos para o devedor poder indicar e propor um nome, nos termos do novo art 32º do CIRE, e do art 52º do CIRE, nas seguintes situações especiais:

1 – Gestão de casos complexos, fazer planos, etc.
2 – Existência de relação de grupo.
3 – Estabelecimento em funcionamento.

 

A remuneração do A J Provisório em PER e RERE, também fica esclarecida no novo º3 do art 32º CIRE.  Passa a ser fixada pelo tribunal e é encargo da massa como se fosse um processo normal.  

As alterações propostas visam alargar à aplicação de medidas cautelares o regime de indicação de administrador no caso de sociedades em relação de grupo e adequar o CIRE à atual orgânica do Ministério da Justiça.

 

Interessante ?'?  Partilhe !!

 

 

Relatórios 

A alteração aos procedimentos de reclamação de créditos do art. 128º é atualizada em duas vertentes:

⦁ O acesso às comunicações electrónicas pelo AJ à tramitação via CITIUS, a rt. 17º, nº2 CIRE
⦁ A adaptação às regras de comunicação dos processos transfronteiriços exigida pelo Reg. 848 da UE de 2015.

 

No seu relatório, o novo art. 158º CIRE determina que o AJ tem de passa a indicar quais os bens do insolvente dados em garantia mas que não tenham correspondência com créditos da empresa.

  • Basicamente, identifica quais os bens dados pela empresa para garantir outros negócios estranhos à empresa.

 

 

Interessante ? Partilhe !  

 

CIRE - Legislação da Insolvência

A Insolvência contém Fiscalidade e Reversões que dependem da Contabilidade

 

Fiscalidade

A alteração à epigrafe do art 181º do CPPT, ao título, que continha 2 referencias desactualizadas;

⦁  Já não existem Liquidatários, mas sim Administradores Judiciais,
⦁ Já não se refere apenas à fase da liquidação de uma empresa em Falência

Agora o mesmo conteúdo constitui clara obrigação do AJ durante todo o processo de Insolvência.

 

Neste contexto a epígrafe do artigo 181.º do CPPT passa a designar-se:

  • «Deveres tributários do Administrador judicial da Insolvência»
    • Anterior Texto :  «Deveres tributários do Liquidatário Judicial da Falência»

 

Desde substituição do CPREF pelo CIRE em 2004 e da actualização dos estatutos do Administrador Judicial em 2013 que a necessidade desta actualização era gritante.

De facto a desactualização do texto criou uma “terra de ninguém” na qual ninguém era fiscalmente responsável durante uma insolvência, pois esta epígrafe referia-se a situações e profissões que já não existiam.

Assim qualquer desleixo ou evasão propositada saía impune pois a epígrafe não assentava em ninguém, mas com a nova redação passa a ser necessário o AJ salvaguardar-se guardando os comprovativos de todas as diligências fiscais que efetuar.

   

 

Interessante ? Partilhe !  

 

Ir para o hub central das Reversões Fiscais

Artigos e Acórdãos sobre as Reversões Fiscais contra os Gestores de empresas insolventes

 

O Fim do Mandato do AJP

Com a introdução do novo art 17º-J no CIRE, logo no final da parte dedicada ao novo-PER, finalmente resolveu-se a lacuna legislativa que dificultava o registo conservador do fim do mandato do AJP quando um PER era aprovado e a empresa viabilizada.

A partir de agora o AJP deixa de ser responsável ou responsabilizável pelos acontecimentos futuros nomeadamente os fiscais.   O maior andicap eram as empresa de construção que não conseguiam vender os seus imóveis sem que a conservatória exigi-se a autorização do AJP, sendo que o mandato do AJP jé estava excutido e este não se queria envolver nestas novas e legítimas vendas.

  

Outras diligências

Deslocações

O martírio do AJ nas deslocações para assembleias inúteis fica mitigado, pois deixa de ser automaticamente marcada audiência quando se autorize a apresentação de plano e se mantenha a gestão pelo devedor.

Leilões 

Por fim, o novo art. 164º do CIRE determina que o AJ deve sempre começar por vender em leilão eletrónico e só justificadamente vender através de outra modalidade.

  • NOTA: as contrapropostas do credor hipotecário têm sempre de ser acompanhadas de cheque de 20%.

 

 


 
 

A recordar: 

  1. – Indicações em:
    • PC de grupos
    • Gestão corrente
    • Fazer planos
  2. – Relatórios detalhados
    • Valor Garantido Hp.
    • Bens onerados
  3. – Vendas com novas regras
    • Leilão eletrónico
    • Credor Hp. paga 20%

Concluindo:

Na prática o sorteio dos AJ só se aplica às liquidações.

 

Voltam as indicações nos casos com interesse demonstrável.


Interessante? Partilhe! [ss_by_jm_crea] 

 

 

Facebook Twitter Linkedin