A insolvência está entrelaçada com a fiscalidade

Regra geral, as insolvências terminam com o encerramento do processo e com uma reversão fiscal, pura, simples e dura contra os gerentes das empresas.  

A melhor maneira de evitar as reversões é compreender como a fiscalidade se reflecte num processo de insolvência.

Ir para o HUB do IVA 

 

Existem alguns trabalhos académicos que pretendem sistematizar, orientar e sintetizar o pensamento, por forma a compreender como se devem interpretar as leis fiscais durante um processo de insolvência.

Este trabalho aqui referido é um bom exemplo para se compreender como estes dois temas se relacionam.

Siga este link para ver os slides em: PowerPoint ou PDF

 

insolvencia no mar da fiscalidade-0001

A insolvência no mar da fiscalidade

 

De facto, durante um processo de insolvência a fiscalidade continua omnipresente para lá da extinção e da dissolução do “património autónomo” subjacente, acompanhando plenamente o processo de liquidação dos ativos, e continuando imparável através da reversão contra os responsáveis pelos atos de gestão que incidam sobre o dito património, liquidando (calculando) todos os proveitos lícitos e mesmo os ilícitos até à reversão contra os responsáveis, liquidação destes (ambiguidade propositada) e cobrança de todos os tributos necessários a uma democracia.

 

Em Portugal, a investigação da fiscalidade nas insolvências está a dar os seus primeiros passos, por vários motivos, sendo o principal o facto de a materialidade e a relevância da fiscalidade só sobressaírem aquando das tentativas de recuperação de pessoas, singulares e coletivas, que são casos raros.

Ir para o HUB dos PLANOS

 

João PM de Oliveira, Consultor

Estratégias na R€-estruturação de Passivos

Siga-me no LinkedIn

Facebook Twitter Linkedin