Inovações pacíficas no novo CIRE de 2012

Como sempre acontece quando há mudanças, existem aspetos mais consensuais que outros.Hand-Shake1

Este CIRE não é exceção, no entanto, algumas das medidas que reuniram maior consenso entre os atores que a Assembleia da República convidou a pronunciarem-se sobre o assunto foram:

Voltar ao HUB do CIRE

  • Art. 10º – Suspensão automática da insolvência no caso de falecimento do devedor;
  • Art. 31º – Revogação do caráter urgente das medidas cautelares;
  • Art. 59º – Clarificação da delimitação temporal das responsabilidades do AI;
  • Art. 65º – Obrigação de as empresas continuarem a prestar contas fiscais sob a égide do AI;
  • Art. 75º – Anúncios e circulares passam a ter o mesmo conteúdo;
  • Art. 76º – Agora a assembleia de credores pode ser suspensa várias vezes ao livre arbítrio das necessidades que o juiz considera entender;
  • Arts. 84º e 93º – Fixação de pensão de alimentos ao devedor e a terceiros pelo juiz, urgente e importantíssimo no caso de menores;
  • Art. 88 – Encerrado o processo principal da insolvência, mesmo que continue o apenso da exoneração por cinco anos, o art. 88º, nº 4, agora manda dar por extintas as ações suspensas no âmbito da insolvência.
  • Art. 136º – A tentativa de conciliação no âmbito do processo de reclamação de créditos passa a ser facultativa;
  • Art. 230º – Clarificação do encerramento da ação no caso de exoneração do passivo de pessoas singulares.
  • Art. 248º – Adaptação do CIRE ao teor do atual Regulamento das Custas Processuais.

 

Estas alterações ao CIRE são pacíficas e eram esperadas nesta revisão, que só peca por tardia.

Voltar ao HUB do CIRE

 

João PM de Oliveira, Consultor

Estratégias na R€-estruturação de Passivos

Interessante? Partilhe!

Facebook Twitter Linkedin