Planos: Revitalização-PER versus Recuperação

 

 

Gemios

Existem vários planos para recuperar uma empresa

Mas qual é a diferença entre um plano de revitalização, PER,
e um plano de recuperação?

Para uma empresa devedora podem ser todos parecidíssimos…
Mas para os credores são completamente diferentes!

Voltar ao HUB dos PLANOS


Exemplificando,,

Vamos supor que uma empresa começa por apresentar um plano de revitalização no âmbito de um processo de revitalização (PER), no qual a empresa ainda está apenas em “situação económica difícil”, e ainda NÃO foi declarada insolvente.

Mais tarde, se o PER não for aprovado, a empresa entra em processo de insolvência e volta a apresentar o mesmo plano, (melhorado) agora com a designação de plano de recuperação, de modo a tentar recuperar, evitando a dramática declaração de insolvência com a liquidação (venda) dos seus ativos.

 

Um PER suspende uma insolvência?

 Em PER

O mesmo plano, o mesmo texto, com os mesmos valores, tem impactos completamente diferentes nos seus credores, especialmente os bancários, que costumam ser o grosso da coluna. De facto, no âmbito do PER, os credores bancários ainda não foram obrigados pelo Banco de Portugal (BdP) a provisionar a totalidade dos seus créditos nesta empresa. Ou seja, não foram obrigados a considerar como perdas, perdas que carregariam os prejuízos, reduzindo os lucros do banco neste ano. Nos anos seguintes… logo se verá… mais tarde. Se o PER for aprovado, não terão de provisionar (considerar como perdido) todo o capital que emprestaram à empresa, e todos os recebimentos serão acumulados nas contas dos lucros a apresentar pelo banco.

 

O que é um PER?

Em Plano de Recuperação

De forma diametralmente oposta, se o PER não for aprovado e a empresa for declarada insolvente, apresente ela plano de recuperação ou seja liquidada (vendida aos pedaços), o banco credor é obrigado pelo BdP a imediatamente provisionar todo o crédito, contabilizando tudo como perdido neste ano, imediatamente! Depois, ao longo dos anos seguintes, se for aprovado e cumprido um qualquer plano de recuperação, tudo o que o banco receber será no futuro considerado como “lucro” desse ano futuro.

 

Como funciona um plano de recuperação numa insolvência plena?

 

Percebe-se agora que o mesmo plano (texto e números) tem impactos diferentes do outro lado da mesa de negociações, dos bancos credores.  

 

 

A Recordar : 

  1. Num “PER”, o banco credor está a tentar evitar que o seu “barco” (crédito) vá ao “fundo” (se perca).
         
  2. Num Plano de Recuperação, o banco credor está a tentar recuperar os “salvados” do seu “barco” (crédito) que JÁ foi ao “fundo”, já está perdido.

Interessante ? partilhe !!

 

Concluindo :

O mesmo Plano, discutido em PER ou em Processo de Recuperação é visto pelos bancos de forma diferente.

  • Em PER o Banco ainda não perdeu tudo
  • Em Plano o Banco já provisionou e espera vir a recuperar,

Mas o devedor também se encontra em situações diferentes.

  • Em PER o devedor ainda está longe da Insolvência,
  • Em Plano de Recuperação o devedor está à beira do Abismo.

 


 

João PM de Oliveira

Estratégias
na R€-estruturação de Passivos

Interessante? Partilhe !!

 Social Share


Os Planos disponíveis numa Insolvência.


Características distintivas dos PER'es, os "Planos de Revitalização"