CC/TOC – Responsabilidades fiscais dos contabilistas

O TOC/CC pode ser fiscalmente responsabilizável pelas dívidas fiscais dos seus clientes!

Mas cabe à AT o ónus de fazer a prova da culpa do TOC/CC!

Vejamos o que é que a AT tem de provar para poder reverter.

Voltar ao HUB das Reversões         Hub Central da CONTABILIDADE

 

Quais as regras de reversão contra os TOC/CC?

 

O TOC/CC é subsidiariamente responsável pelos tributos do seu cliente, na medida estabelecida no art. 23º e 24º,n3 da LGT.

 

Assim, o TOC/CC funciona como um fiador legal. Logo, é necessário que o Estado, para acionar a sua responsabilidade, tenha excutido os bens do devedor originário. Portanto, a subsidiariedade da responsabilidade significa que o seu cumprimento só pode exigir-se se o devedor não cumprir, nem puder cumprir, as suas responsabilidades fiscais.  

Assim, o TOC/CC tem o benefício da excussão prévia do património do seu cliente, podendo recusar o cumprimento enquanto não estiverem executados todos os bens do devedor principal, e inclusive, depois da excussão, se provar que foi por culpa do credor que o crédito não foi satisfeito.

 

Portanto, para que a administração fiscal possa acionar a responsabilidade subsidiária do TOC, é necessário que a AT prove uma de duas coisas preenchendo dois requisitos, em linha com o art. 24º da LGT:

  1. A atuação dolosa do TOC/CC 
  2. A assinatura de declarações fiscais que não contenham exatidão técnica 

 

O primeiro requisito,

o dolo, pode assumir três formas descritas no art. 15º do CP:

  • dolo direto,
  • dolo necessário
  • dolo eventual

Na avaliação deste primeiro requisito, só o dolo direto nos interessa, porque segundo o art. 55º dos Estatutos da CTOC, o TOC só será responsabilizado quando intencionalmente de forma direta ou indireta violar os seus deveres para com a Administração Fiscal.

  • O TOC/CC é o garante da veracidade das declarações prestadas e do respeito pela lei e normas técnicas em vigor.
  • O ECC exige explicitamente que o TOC/CC se abstenha da prática de ocultação, destruição ou alteração de factos ou valores que devam constar da declaração fiscal.

 

O segundo requisito

para que a Administração Fiscal possa acionar a responsabilidade subsidiária do TOC/CC ocorre quando existir violação dos deveres profissionais deste, deveres estes que assentam em dois pilares:

  • as funções do TOC/CC descritas no art. 6º dos seu código deontológico
  • os seus deveres para com a Administração Fiscal, previstos no art. 73º do estatuto

De acordo com o ECTOC, o TOC/CC é responsável pela organização da contabilidade, estando obrigado a assumir a responsabilidade pela regularidade técnica, nas áreas contabilística e fiscal, sendo a assinatura das declarações fiscais a expressão formal dessa mesma responsabilidade.

 

Assim, é preciso analisar o conceito de responsabilidade subsidiária.  

A responsabilidade subsidiária carateriza-se pelo facto de:

“…só depois de demonstrada a insuficiência do património do devedor para fazer face à obrigação é que o garante da obrigação pode ser chamado a responder por uma dívida fiscal que não é sua…”

(Saldanha Sanches, Manual de Direito Fiscal, Lisboa, 2001).


Interessante ? Partilhe !  

 

CONTABILIDADE vs Insolvência

A Insolvência contém Fiscalidade e Reversões
que dependem da Contabilidade

Durante a insolvência mantêm-se as obrigações declarativas e contabilísticas?

A AT diz que sim, e alega que é também esse o entendimento da Comissão de Normalização Contabilística, que considera que:

  • O artigo 65º do CIRE não derroga as obrigações de informação contabilística, nomeadamente decorrentes do novo Sistema de Normalização Contabilística, bem pelo contrário: o nº 1 do artigo 65º determina que devem ser elaboradas e depositadas as contas anuais, nos termos em que forem legalmente obrigatórias para o devedor.
  • Uma sociedade comercial, objeto de um processo de insolvência em fase de liquidação e partilha da massa insolvente, não fica dispensada de cumprir com as obrigações legais de contabilidade organizada após a data da deliberação de encerramento da atividade do estabelecimento (nos termos do disposto no artigo 65º, nºs 1 e 2, ou seja, a cargo dos sócios gerentes/administradores do insolvente)

   

Renúncia de um TOC/CC numa insolvência

   

E quais são as responsabilidades fiscais do TOC/CC durante um processo de insolvência?

De facto, a determinação dos impostos correntes resulta (geralmente) da contabilidade.

  • Ora, o art. 110º do CIRE determina o fim imediato dos contratos de prestação de serviços, incluindo o do TOC.
  • O art. 81º do CIRE determina que os anteriores gestores perdem todos os poderes de administração, nomeadamente o poder de pagar ao TOC.
  • E o art. 65º, nº 2, do CIRE mantém as obrigações e a responsabilidade pela regular entrega das obrigações declarativas fiscais
  • Os artigos 2º, 117º e 123º do CIRC determinam a necessidade de manter a contabilidade organizada durante a liquidação (venda) da empresa.
  • Por outro lado, o EOTOC, no seu art. 6º, determina que as obrigações do TOC não se extinguem automaticamente, mantendo se o seu dever de diligência previsto no art. 52º EOTOC.
  • Bem como a obrigação de disponibilizar os documentos ao AI conforme prescreve o EOTOC no seu art. 16º.
  • O art. 52º EOTOC prevê que o TOC deve clarificar a sua situação perante o AI.
  • O art. 16º EOTOC dispõe que o TOC deve colaborar com o AI se cessarem as suas funções.

 

 

Interessante ? Partilhe !  

 

Ir para o hub central das Reversões Fiscais

Artigos e Acórdãos sobre as Reversões Fiscais contra os Gestores de empresas insolventes

Por fim, a AT ainda tem de fazer o nexo de causalidade.

O último pressuposto da responsabilidade subsidiária é a existência de um nexo de causalidade entre o incumprimento das funções de fiscalização dos TOC/CC e a violação dos deveres tributários das pessoas coletivas. O art. 24º, nº 2, da LGT estabelece que a responsabilidade prevista no art. 24º se aplica aos ROC desde que se demonstre que a violação dos deveres tributários das pessoas coletivas resultou do incumprimento das funções de fiscalização dos TOC/CC.

Assim sendo, é necessário demonstrar que a violação dos deveres de fiscalização foi causa da violação dos deveres tributários da pessoa coletiva em questão. Porém, o art. 563º do Código Civil exige ainda que a conduta do TOC/CC seja adequada à produção do resultado que se haja verificado. 

Assim, não haverá responsabilidade por parte dos TOC/CC na circunstância de se provar que o incumprimento das funções de fiscalização, no caso concreto, em nada interferiu na violação dos deveres fiscais, e que esta se deve a outra circunstância.

 

As Responsabilidades Fiscais de um ROC perante uma contabilidade irregular 

    

E o que diz o Supremo Tribunal Administrativo sobre o assunto?

Acórdão do STA

  • Data: 30 de Março de 2004
  • Processo n.º 01613/02

Obtenha aqui o Acórdão :

Acórdão STA – Nexo de Causalidade

      

A Recordar :

Este acórdão é um bom exemplo da necessidade do nexo de causalidade, apesar de versar sobre assunto distinto:

Extrato VIII do Sumário:

VIII

O art. 563º do Código Civil consagra a teoria da causalidade adequada, na sua formulação negativa, segundo a qual, o nexo de causalidade entre a condição abstractamente adequada à produção do dano e o dano só é afastado se se provar que aquela condição não interferiu no dano, que ele se teria verificado independentemente de tal condição, isto é, que ele só se produziu devido a circunstância extraordinária para a qual a condição abstracta foi indiferente

Relator: ALBERTO AUGUSTO OLIVEIRA

 

Interessante ?? Partilhe !!

 

  

Resumindo:

Desde que o TOC/CC entregue e assine apenas declarações que contenham verdade fiscal, a AT dificilmente poderá reverter contra o TOC/CC.

Não é necessário o TOC/CC reportar ativamente nenhuma irregularidade para ficar ilibado,

Basta não ocultar nada da AT no interior das contas. Para isso bastará cumprir as linhas gerais do SNC.

 

Voltar ao HUB das Reversões         Hub Central da CONTABILIDADE


A Recordar : 

  1. O TOC/CC não tem o dever de reportar irregularidades
  2. O TOC/CC tem o dever de escriturar uma contabilidade verdadeira.

Interessante ? partilhe !! [ss_by_jm_crea]

Concluindo : 

  • O  TOC/CC   NÃO  faz parte dos órgãos de fiscalização da Empresa.
  • Portanto  NÃO  está sujeito à responsabilização de reportar
  • O previsto no art 24º nº2 LGT, NÃO  se aplica aos TOC/CC
  • SIM !, o  TOC/CC  é responsável por uma contabilidade verdadeira que não induza a AT em erro.

 


Interessante ? Partilhe !  

 

CONTABILIDADE vs Insolvência

A Insolvência contém Fiscalidade e Reversões
que dependem da Contabilidade


   


 

João PM de Oliveira

Estratégias
na R€-estruturação de Passivos

Interessante? Partilhe !!



Algumas definições de "jargão" fiscal

Algumas palavras que usamos no nosso quotidiano têm um significado distinto quando aplicadas num contexto fiscal.

Facebook Twitter Linkedin